12 Achados de Arqueologia em 2018 que deixaram os historiadores perplexos

2018 já passou e já estamos nos estabelecendo em 2019, mas mesmo quando avançamos, nunca é um momento ruim para lembrar as pessoas sobre as coisas incríveis que aconteceram no ano passado e que passaram despercebidas. Embora tenha havido muitos eventos inovadores que a maioria de nós já ouviu falar, houve algumas descobertas incríveis que podem ter voado sob seu radar. Com esta lista, decidimos lançar alguma luz sobre as mais incríveis descobertas arqueológicas feitas em 2018, que podem mudar nossa compreensão da história para sempre.

1 Mais antigo naufrágio encontrado no fundo do mar Negro

1

Mais de uma milha abaixo da superfície do Mar Negro, um navio mercante grego foi descoberto. Acredita-se que o navio tenha cerca de 2.400 anos, tornando-se o mais antigo naufrágio intacto do mundo. Foi encontrado pelo Projeto de Arqueologia Marítima do Mar Negro, perto da costa da Bulgária. Como as profundezas do Mar Negro são livres de oxigênio, o naufrágio permaneceu em condições notáveis, dando aos pesquisadores a possibilidade de examinar e aprender mais sobre a construção naval no mundo antigo.

2 Última área não escavada de Pompéia foi escavada

2

Depois de muitos anos de pesquisa, ainda havia um terço da antiga cidade de Pompeia que nunca havia sido explorada – mas em 2018 tudo mudou. Uma área escavada que já era conhecida do público estava em perigo desde que a lama, cinzas e endurecimento de pedaços de lava da área não escavada estavam desmoronando e deslizando em direção a ela. Devido ao perigo de perder uma área já explorada, os arqueólogos correram para escavar a última área chamada Regio V. Por dentro, pesquisadores descobriram um novo conjunto de afrescos e uma sala que foi construída como um santuário para as divindades guardiãs conhecidas como Lares. Na cultura antiga acreditava-se que eles protegiam casas e campos. “Durante as escavações no Regio V novas muralhas e outros tesouros estão surgindo de lapilli.Em uma das casas que foi parcialmente escavada no final do século XIX – a casa de Júpiter – agora podemos ver paredes coloridas e alguns afrescos, incluindo o primeira cena mitológica encontrada durante essas escavações: provavelmente é Adone Ferido nos braços de Afrodite, cercado por Cupidos “, disseram os pesquisadores.

 3 Os primeiros padeiros há 14.400 anos

3

Acontece que 14.400 anos atrás, pelo menos 4.000 anos antes do início da agricultura, as pessoas já estavam tentando encontrar uma receita para a deliciosa pita. Pesquisadores da Universidade de Copenhague descobriram um pequeno acampamento que pertencia a uma cultura conhecida como Natufians e, no acampamento, encontraram produtos parecidos com pão que despertaram sua curiosidade. Parecia que esta cultura já tinha fornos e os restos encontrados neles mostram que os natufianos coletavam cereais silvestres e tubérculos para fazer farinha para o pão. Acredita-se que este tipo de receita não era um prato cotidiano comum, mas sim um tratamento reservado para ocasiões especiais. Além disso, cientistas da Universidade de Stanford analisaram resíduos de três morteiros de pedra natufianos e encontraram evidências provando que os natufianos estavam produzindo cerveja de trigo e cevada silvestres há 13 mil anos. Essas duas descobertas podem provar que nossos ancestrais eram padeiros e cervejeiros muito antes do início da agricultura.

4 Múmia incrivelmente única encontrada no Egito

4

Arqueólogos alemães e egípcios encontraram uma antiga funerária no Egito. O edifício retangular em que os cientistas se depararam foi considerado uma oficina de múmia, sendo um dos principais indicadores centenas de tigelas de cerâmica que armazenavam vários óleos e substâncias usadas em um processo de mumificação. O pátio aberto da oficina tinha um túnel de 30 metros de comprimento que levava a câmaras funerárias com dezenas de múmias. Uma das maiores descobertas nessas câmaras era um sarcófago que pertencia a uma senhora chamada Tadihor. O sarcófago estava cercado por dezenas de figuras protetoras que tinham seu nome inscrito nelas. Essa múmia tinha uma máscara de prata no rosto, que, segundo os historiadores, tinha um profundo significado religioso, uma vez que os textos religiosos egípcios indicam que os ossos dos deuses são feitos de prata e ouro. Uma múmia carregando uma máscara de prata significava que a pessoa morta se transformaria em um deus depois de sua morte.

 5 As bactérias que causaram a peste negra também foram encontradas em esqueletos de 3800 a.C

5

Você já conhece a peste negra que varreu a Europa no século XIV. Essa terrível praga resultou em mais de 50 milhões de mortes e ainda é lembrada até hoje como uma das doenças mais catastróficas da história. Bem, recentemente os arqueólogos fizeram uma descoberta surpreendente que mostra esqueletos por volta de 3800 aC que continham Yersinia pestis (uma bactéria que causa a peste). Esta descoberta sugere que as linhagens de pestis foram estabelecidas durante a Idade do Bronze, o que significa que a peste teve um surto anterior que teve um grande efeito sobre a migração na Europa e na Ásia. Durante esse período, houve uma repentina disseminação de pastores de estepes da Europa Oriental para a Europa Ocidental entre 3000 e 2500 aC, até hoje os cientistas estavam incertos sobre o que pode ter causado essa súbita migração, Johannes Krause, um geneticista alemão diz que a pandemia pode ser uma explicação razoável.

6 Pegada humana mais antiga

6

A pegada humana mais antiga foi encontrada em Calvert Island, no Canadá, em março. As pegadas podem ter mais de 13.000 anos e pertencem a três pessoas – uma criança e duas outras que podem ter sido adultos. As pegadas conseguiram ficar visíveis porque naquela época os três humanos pisavam em barro molhado que endurecia e enchia de areia. O arqueólogo também encontrou um pequeno pedaço de madeira junto com as pegadas, o que lhes permitiu fazer datações por radiocarbono nas impressões, que revelaram suas pegadas datadas entre 13.300 e 13.000 anos atrás.

7 Essas ferramentas de 13 mil anos fizeram os historiadores se perguntarem quem foram as primeiras pessoas a viver na América

7

 2018 pode ter sido o ano em que uma das maiores questões de arqueologia americana foi respondida, ou seja, quem foram as primeiras pessoas a viver nos EUA? Até agora, as escolas ensinavam às crianças que as primeiras pessoas a viver no território da América se chamavam Clovis, uma cultura que veio da Sibéria para América do Norte há 13 mil anos. Agora, depois de fazer uma pesquisa mais aprofundada, os cientistas acreditam que as pessoas podem ter vindo para a América muito antes disso. Escavações no Texas revelaram ferramentas anteriormente desconhecidas que têm mais de 13.000 anos, entre essas ferramentas, tinham lâminas, pontos de projétil e ferramentas de floco mais antigas entre 20.000 e 16.000 anos atrás, tornando-as milhares de anos mais antigas que qualquer ferramenta conhecida para o povo Clovis.

8 Esboço mais antigo já desenhado

 8
Em 2018, o arqueólogo encontrou uma pedra com linhas vermelhas desenhada que supostamente tem 73.000 anos de idade – tornando-se o esboço mais antigo já encontrado. A caverna de Blombos, onde o esboço foi descoberto, também contava com ferramentas ósseas, dentes, gravuras e contas feitas de conchas do Homo Sapien. Esta descoberta também pode ter fornecido mais informações sobre o uso de símbolos do Homo Sapiens, que é a base para a matemática e a linguagem. Com a ajuda de um microscópio, os cientistas descobriram que a rocha foi pintada usando ocre vermelho, um pigmento que era frequentemente usado nas pinturas pré-históricas.

9 Representação mais antiga de uma parte do corpo humano

9

 Arqueólogos suíços anunciaram que encontraram a primeira representação de uma parte do corpo humano na Europa. Em 2017, caçadores de tesouros descobriram usando detectores de metal ao lado de um punhal de bronze e um osso de costela. Arqueólogos alegaram que nunca tinham visto nada parecido e, a princípio, não tinham certeza se era autêntico. Agora, foi determinado que este artefato remonta ao meio da Idade do Bronze. Segundo os arqueólogos suíços, os objetos de metal na Idade do Bronze são extremamente raros, e o ouro quase nunca é encontrado, já que existem milhares de sepulturas da Idade do Bronze encontradas e nenhuma delas tinha algo semelhante, o que prova que uma escultura como essa é verdadeiramente única.

10 Nossos ancestrais beberam cerveja antes do que você pensa

10

 Escavações recentes em Israel descobriram que a cerveja mais antiga do mundo pode ter sido preparada para um funeral há mais de 13 mil anos, o que a torna o álcool mais antigo  produzido pelo homem no mundo. Uma caverna de cemitério em Israel tinha vestígios de poços de trigo e cevada escavados no leito de rocha. Acreditava-se que esta descoberta fosse sobras da fabricação de cerveja, provavelmente como parte de uma festa funerária.

11 Sarcófago com esgoto vermelho estranho dentro

 11

Isso é uma descoberta que atraiu a maior atenção da mídia em 2018. Quando os arqueólogos encontraram um novo sarcófago no Egito, imediatamente decidiram abri-lo e, por dentro, descobriram que o esgoto vermelho tinha conseguido penetrar no interior. Mesmo que o esgoto parecesse absolutamente repugnante, ainda havia uma quantidade razoável de pessoas que realmente pediam para beber o esgoto acreditando que ele possuía algum tipo de poder especial (difícil de acreditar, nós sabemos). Eles chegaram a criar uma petição para seu pedido, com milhares de inscritos. Dentro do sarcófago, os arqueólogos encontraram o corpo de uma jovem que tinha entre 20 e 25 anos, bem como dois homens na faixa dos 30 ou 40 anos. Este achado é considerado o maior sarcófago já encontrado em Alexandria. A espessa camada de argamassa que a cobria os leva a acreditar que nunca foi aberta antes e que o líquido misterioso era apenas um esgoto que se infiltrou.

12 Uma rampa que pode ter sido usada para construir pirâmides

12

Arqueólogo encontrou um aparelho de 4.500 anos de idade que poderia ter respondido à antiga questão de como a Grande Pirâmide de Gizé foi construída. Pesquisadores conseguiram encontrar um sistema de rampa que foi usado para puxar pedras de alabastro por uma encosta íngreme. Yannis Gourdon, co-diretor da missão conjunta em Hatnub, explicou como esse mecanismo poderia ter ajudado os egípcios a construir pirâmides: “Usando um trenó, que carregava um bloco de pedra e estava preso com cordas a esses postes de madeira, os antigos egípcios conseguiram puxar para cima os blocos de alabastro fora da pedreira em encostas muito íngremes de 20 por cento ou mais. ”

Fonte: BoredPanda



0 Comentário(s)

Deixe seu comentário